Eu Aprendi Amar - CAPÍTULO 3


Alguns dias se passaram desde aquela manhã que acordei ao lado do Diogo e as lembranças daquela noite foram voltando a minha mente. Por mais que eu não quisesse aceitar, aquilo realmente tinha acontecido e era pior ainda o fato de que eu sentia falta dele e de tudo que passamos. Não aquela falta de chorar (porque acho que isso nunca aconteceria comigo), mas parece que meu dia ficava incompleto sem ele para me perturbar, ajudar ou até mesmo sem os beijos dele. Ele não era como eu e isso eu já havia percebido. Ele ia a festas, mas não pegava todas como a maioria dos meus amigos, ele era de encontrar alguém e ficar apenas com aquela pessoa — o resto da noite na festa, ou o resto da vida — ele não bebia em excesso, era estudioso, mas ele gostava de festa e essa era a única coisa que temos em comum, além do gosto musical.
Tentando deixar esses pensamentos de lado sai para festar, mas quando entrei no estabelecimento e encontrei meus amigos vi uma cena que me deixou com um sentimento estranho. Era uma espécie de raiva, desespero, e um toque de tristeza. Seria ciúmes? Eu nunca havia sentido isso antes até ver o Diogo beijando outra mulher.
Entrei em pânico, fui para cima deles e empurrei-a e fiquei mais assustada ainda ao ver quem era. Minha mãe. É, minha mãe. 34 anos com aparência de alguém da minha idade aproximadamente. Ela me deu a luz quando tinha 16, o meu pai não assumiu e ela teve que me criar sozinha. O que eu a “privei” naquela época ela vive agora, já que é solteira. Sai de casa a um bom tempo e só a encontro em festas por aí.
— Mãe? — Por um momento, achei que nenhuma palavra fosse sair da minha boca.
— O que você está fazendo? — ela perguntou.
— Que? Sua MÃE? Ela me disse que tinha 22 anos! — disse Diogo, assustado.
— Mas ela tem 34!— afirmei.
— Eu sei que pareço ter muito menos. Espero que você chegue à minha idade gostosa como eu, filha! — minha mãe interrompeu a conversa.
— Por que você está beijando outra mulher? — perguntei, irritada e ignorando minha mãe
— Porque você não quer que eu te beije! — retrucou.
— E não quero! — falo um pouco alto.
— Então por que não posso seguir minha vida? — ele perguntou.
Eu não sabia o que dizer, e não tinha resposta para aquilo. Eu queria-o, mas não queria assumir.
— Eu não queria ficar com ninguém. Fiz isso porque sabia que você veria e queria te provocar alguma reação. — disse Diogo, quebrando o silêncio — Eu quero ficar contigo, Michele.
— Mas você disse que não queria mais falar comigo! — digo, soando meio melancólica.
— Porque eu queria que você viesse atrás de mim. Sempre soube que você falava que não me queria da boca para fora.
Silêncio novamente. Ele tinha razão, infelizmente tinha, e agora eu não iria mais negar.
— Alguém pode me explicar o que está acontecendo? — a voz da minha mãe soou confusa.
Diogo tentou explicar os meses que se passaram enquanto eu interrompia dizendo que algumas coisas eram mentira ou exagero. Quando ele terminou, não sei o que aconteceu comigo ou o que se passou na minha cabeça, eu senti que não podia mais continuar negando as minhas vontades. Eu simplesmente me virei e o beijei, e eu nem tinha bebido nada! Minha mãe ficou pasma.
— É, minha filha não muda nunca!
— O que você quer dizer? — perguntou Diogo.
— Ela é sempre assim, indecisa. — respondeu. Revirei os olhos ao ouvir minha mãe falar isso.
— Não sou indecisa, sei muito bem o que quero, ou melhor, o que não quero. Não quero que beije ninguém além de mim! — falo com muita raiva na voz. Puxo o Diogo e saio dali arrastando-o comigo.



Depois disso fomos ao meu apartamento e ele passou a noite comigo. Passaram-se dias e eu sentia um sentimento estranho crescendo dentro de mim. Fiquei muito tempo tentando nega-lo porque sempre pensei que gostar de pessoas amorosamente fosse uma besteira que as pessoas inventavam para não ter que passar o resto da vida sozinha, e eu não via problema em ser sozinha, mas percebi que na verdade esse sentimento surge do nada e vai crescendo sem a gente ter controle dele. Na verdade a gente não tem controle de nada, pelo menos eu não conseguia ter controle sobre mim e meus sentimentos, eu os deixei fugirem pela minha mão e foi assim que minha felicidade fugiu também. 
Todo esse tempo com o Diogo se fechou em um mês, e dois meses e pouco desde o nosso primeiro beijo junto com o tempo que paramos de nos falar que durou em média uma semana, ou seja, três meses e uma semana pra ser exata. Mas sou suspeita falar, minha matemática é tão ruim quanto minha memória. Não era nada oficial ainda, mas não ficávamos com mais ninguém. Não era oficial até o dia em que ele apareceu no meu apartamento e me pediu em namoro. Não acredito que fui meio relutante no começo depois de tudo que passei e aprendi, mas deixei o orgulho e teimosia de lado e aceitei. Agora eu estava namorando oficialmente, nem parecia real, eu realmente nunca havia me imaginado assim. 








26 comentários:

  1. Haaa amei seu conto 😍 menina tu tem talento! Estou seguindo pra acompanhar mais haha bjos
    aleituramagica.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Oi,

    Nossa esse beijo roubado foi arrasador, uma explosão na trama...estou gostando do conto e quero muito ver o crescimento dos personagens e o desenvolvimento da história.

    ResponderExcluir
  3. Sou daquele tipo que sofre demais de ler em doses homeopáticas, mas um texto bem escrito e pra apoiar uma nova autora até que compensa o sofrimento da espera pelo próximo capítulo. Continue a escrever e não demore (pfv) parabéns!! ~Elis Blog Pretenses

    ResponderExcluir
  4. Muito bacana seu conto. Você tem uma escrita muito gostosa de ler. Continue firme.
    Veijos.
    www.danuzaeoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Gostei bastante!
    Você manda bem
    Continue assim.
    Vai ter resultados positivos!

    Partes da Literatura

    ResponderExcluir
  6. Olá, ! Tudo bom?
    Uau que loucura, tava ficando com a MÃE dela! hahaha que situação constrangedora socorro rs nao sei como lidaria com isso. Mas adorei o capitulo, você escreve muito bem! Continue assim! Beijos, Yasmim.

    Blog: http://literarte.blog.br

    ResponderExcluir
  7. Oii, nossa gostei bastante, fiquei chocada com a mãe dela kkk, imagino a cena!
    Quero muito ver o desenrolar de tudo isso..
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  8. Como é bom ler os seus textos!!!Uma escrita leve, bem concatenada que nos leva ao final da história rapidamente! Parabéns!! Você tem talento e nós aguardamos o desfecho dessa história fofa. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Oii.
    Gostei bastante do capítulo.
    A história esta evoluindo de um jeito bem legal.
    Parabéns.
    Beijos.

    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  10. Que lindo seu texto! Você escreve super bem, parabéns adorei! Pena que já peguei a história em um ponto avançado né? Cheguei atrasada... Haha...
    Vou voltar, ler os anteriores e acompanhar...
    Super beijo linda!!

    www.lendo1bomlivro.com.br
    Instagram :) @lendo1bomlivro

    ResponderExcluir
  11. Olá, xará kkkk'
    Menina, seu conto está magnífico! Adorei a forma que explorou os personagens e descreveu as cenas. A cada capítulo fica nítido o quanto você possui talento para a escrita.
    Voltei as anteriores para acompanhar mais da história, pois realmente curti.
    Parabéns ❤

    Beijo, beijos
    relicariodehistoriasma.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Estou vendo um novo talento para a literatura brasileira, mulher tu arrasa na escrita viu, estou amando acompanhar aqui, bjão.

    ResponderExcluir
  13. Adorei seu conto, você escreve super bem já deveria fazer uma antologia com seus contos ou até mesmo escreve um livro, super apoio!

    Bjs
    Suka
    http://www.suka-p.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pretendo escrever um livro em breve sim, obrigada pelo apoio ♥

      Excluir

© Amor Literário - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo