Eu Aprendi Amar - CAPÍTULO 5



Acordo, e quando viro para o lado vejo Diogo com o sono quase a se dissipar. Nós nos acertamos faz alguns dias e desde então venho tentando controlar meu ciúme pelo bem do nosso relacionamento. Tem tudo ido bem até agora.
— Bom dia, meu amor — falo para o Diogo que já está a abrir os olhos. 
— Bom dia, linda! — ele sorri quando me vê, passando a mão em meu cabelo — Já disse que amo seu cabelo? Adoro cabelos curtos e escuros... — Sorrio ao ouvir essas palavras, ele vem sempre me elogiando.
Deixo o sono de lado e me levanto da cama, puxando a coberta e descobrindo o Diogo. Falo para ele levantar e se arrumar se não vamos nos atrasar para a faculdade. Entro ao banheiro que, pertence à casa do Diogo, mas já estou familiarizada. Preciso de um banho para poder começar o dia então me dispo e entro com rapidez em baixo do chuveiro, ligando-o.
Vejo Diogo entrar no banheiro quando já estou me secando e começar escovar os dentes, felizmente já estamos bem íntimos. Visto-me e beijo-o me despedindo ao sair do banheiro e ir à sala pegar minha bolsa. Pelo fato de termos rotinas diferentes dentro da universidade e durante o resto do dia decidimos cada um ir por “conta própria” para aula e seu dia-a-dia. Geralmente nos encontramos durante a noite, mas nem sempre dormimos juntos. Hoje marcamos de ir jantar em um restaurante após minha saída do trabalho, que termina às 21h. 
Depois de um tempo convivendo com Diogo descobri que ele não mora sozinho, e sim com um amigo de infância, mas nada nos atrapalha já que seu amigo trabalha durante a noite e só chega em casa quando já estou saindo, que por sinal é bem cedo, porque aproveita para tomar café em um restaurante próximo ao prédio. Diogo faz estagio remunerado, e dividindo o apartamento com o amigo se torna mais fácil de pagar o aluguel. Ele não tem aula todos os dias, e nesses dias de “folga” aproveita para fazer estágio o dia todo (menos à noite), inclusive no sábado. 
Chego à universidade, e suspiro vendo que minha rotina vai começar. Passo pela lanchonete da faculdade e compro meu café, que é a melhor parte do meu dia depois de encontrar o Diogo, é claro. Entro na sala e sento no meu local de sempre que é bem na frente da sala. Apesar de tudo, tento ao máximo me esforçar nas aulas, e isso só melhorou depois que Diogo entrou na minha vida para me incentivar... Vou ficar o resto do tempo pensando nele e torcendo pelo dia passar rápido para poder vê-lo.



Marcamos de nos encontrar no restaurante a cá estou eu, sentada na nossa mesa preferida esperando por ele. Passa-se algum tempo e começo a pensar que ele não vem, que tenha esquecido. Começo a perceber que isso é quase impossível porque Diogo não se esquece de nada em relação a mim quando o vejo se aproximar.
— Oi, minha linda. — ele fala, sentando-se em uma cadeira de frente para mim — Desculpa o atraso, estava em casa fazendo algumas anotações para o meu trabalho da faculdade. 
Sorrio e ele sabe que não tem problema, sei o quanto o estudo é importante para ele e tento não pensar que ele está me trocando por tal. Fazemos nossos pedidos, eu gosto de hambúrguer com tudo que tenho de direito. Vamos conversando enquanto esperamos, quando a comida chega continuamos conversando e o papo flui naturalmente. Não sei como surge assunto entre a gente, nunca me aconteceu com ninguém. Vejo uma moça se aproximar, seus cabelos são escuros, muito mais pretos que o meu, é raspado na lateral com um corte repicado um pouco acima do ombro. Ela chega à nossa mesa, cumprimenta meu namorado com um sorriso e um beijo na bochecha, após isso olha para mim e me dá um “oi”, vai em direção a uma mesa vazia enquanto a observo, ela faz seu pedido e me viro para Diogo.
— O que foi isso? — pergunto indignada.
— Um cumprimento? — ele responde em forma de pergunta.
— Ah, sério? Nem percebi! — sou irônica ao retrucar. — E a necessidade de dar um beijo na bochecha?
— Foi só um cumprimento, amor. — ele responde, com tranquilidade na voz. — Todo mundo faz isso... — sinto indiferença na sua voz.
— Não acho que isso tenha sido legal, Diogo, não gosto disso. Quem é ela, afinal?
— Uma colega de faculdade. Faço meus trabalhos junto com ela, geralmente.
— Ah, era com ela que você estava, né? Por isso se atrasou! — falo, tentando controlar a raiva enquanto ele se mantem calmo.
— Não Mih, eu estava em casa, sozinho, fazendo apenas algumas anotações...
— Aposto que estava no maior amasso, esqueceu de mim e perdeu a hora — interrompo-o no meio de sua explicação.
— Não tem nada disso, amor. Escute-me e confie em mim pelo menos uma vez! — ele fala, com tom de suplica na voz.
— Então por que ela tem toda essa intimidade com você? — pergunto, com o tom mais apero que consigo.
— Que intimidade Michele? É um beijo na bochecha, não tem nada demais... Seus amigos fazem isso e não vejo problema nenhum. — Como ele consegue manter esse tom calmo? — Acho melhor você se acalmar, não quero brigar aqui no restaurante. Ou melhor, só não quero brigar.
— Claro que não... Você quer me convencer que está tudo bem e continuar a me trair descaradamente.
— Amor, não estou te traindo. Eu corri atrás de você, acha que faria tudo isso para no fim te trair? Acha que sou um garoto de impulso? O meu esforço para conquista-la foi em vão?
— Esforço para me conquistar nada, esforço para me convencer a ficar com você, né? Você é um mentiroso, isso sim! Já deve estar acostumado a mentir e manipular as pessoas, mas eu não sou mais uma que você pode enganar.
— Michele, não estou te enganando. Eu te amo!
— Mas eu não acredito! — Jogo na mesa o guardanapo de pano que estava segurando junto com dinheiro suficiente para pagar a minha parte, pego minha bolsa e saio do local. Percebo que ele tenta vir atrás de mim, mas quando eu entro no carro ele volta para a mesa e continua sua refeição. 
Dirijo o carro meio sem direção até que encontro um bar que eu gosto de frequentar. Estaciono e entro no estabelecimento já sabendo o que vou pedir, minha cerveja. 
 Depois de muitos e muitos litros já me sinto melhor. Melhor do peso que estava no meu coração, mas muito pior fisicamente. Vou até meu carro e abro a porta de trás entrando no mesmo, deito ali e logo pego no sono. Acordo apenas no outro dia, com alguém batendo a minha janela. 
Ao ouvir o barulho, tento identificar onde estou, e aí me lembro da noite passada. Olho para janela, verificando quem está a bater fazendo tanto barulho, quando o faço sinto a raiva misturada a dor encher o meu peito. Diogo, e minha mãe.






15 comentários:

  1. Menina como alguém começa tão bem e de repente tá tão mal! Eu Tô com o amigo! não precisa tudo isso, só magoa ambos...

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Ótima escrita
    A cada capítulo fico com dor no coração.
    Esse final foi tenso.
    Beijos.

    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  3. Que bom mais um capítulo.
    Já estava com saudades dos personagens, mas que rumo a história tomou hein??!!
    Bjus e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Aline! Tudo bom? (:
    Que isso esse capítulo! Precisa encher a cara não, amigo, da pra resolver sem isso rs quero saber a continuação. Ótimo capítulo!
    Beijos, Yasmim.

    Blog: http://literarte.blog.br/

    ResponderExcluir
  5. Ual, que capítulo. Acho que a Mi precisa de terapia tipo urgente kk
    quero saber logo a continuação..
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  6. Ahhh!! Que capítulo incrível!! Amei cada parte! Ansiosa pelo próximo capítulo!
    Beijos 😘

    ResponderExcluir
  7. Ciúmes é um sentimento péssimo né, tira totalmente o controle de quem o sente. A mente se perde em tantas teorias da conspiração que acaba perdendo algo bom que antes fazia tão bem aquela pessoa, além de magoar outros. Muito real sua narrativa, adorei !

    ResponderExcluir
  8. Nossaaaa... me desculpa mas, que menina estranha! kkkkk eu estou pegando o bonde andando, então não sei o que tem por trás das atitudes dela, vou ler os outros capítulos para descobri mas só consegui sentir raiva dela. ^^^esperando a continuação para ver o que vai acontecer.

    ResponderExcluir
  9. ME IDENTIFIQUEI HAHAHAHAHA mano se a mina fizesse isso não sei quem eu matava primeiro hahahaha <3 cont...

    ResponderExcluir
  10. Olá!

    Nossa, me desculpe, mas a Michele tem sido aquele tipo de personagem insuportável, no início, fiquei hesitante mas parece que a cada capítulo ela continua a mesma.

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
  11. Gente, detesto personagem que vive um mundo completamente diferente na própria cabeça e acaba fazendo cena e envergonhando as pessoas no mundo real. Sério! Esse tipo de gente só estraga a vida dos outros, porque não tem como entender o que tá acontecendo. Mas eu acho que fiquei meio perdida entre o capítulo anterior e esse =/ ~Elis Blog Pretenses

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdida? Capitulo anterior eles tiveram uma briga, e o Diogo saiu (não falei nada sobre término no capítulo), agora é uma nova cena, um novo dia e descrevo no começo que eles já estão "de bem" novamente.

      Excluir
  12. Que isso Michelle. Vai com calma. Foi só um cumprimento. Mah gente... E eu pensando que eles estavam bem. Quero mais!! Quero tretas!!!

    Gabi: https://ocliteraria.blogspot.com.br/2017/08/ela-me-deixa-louco-capitulo-06.html

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem ?

    Não esperava essa explosão neste capitulo, realmente a pessoa precisa sim de ajuda...é bastante difícil e o final foi muito tenso ! Vou esperar a continuação para saber o desfecho de tudo. Não vou julgar a personagem pois cada um tem seus problemas na cabeça e isso torna mais difícil descobrir como superar tudo.

    ResponderExcluir
  14. Adorei sua escrita, você consegue prender minha atenção logo de inicio. Uma mistura de amor e ódio rsrs aguardando continuação.

    Bjs
    Suka
    http://www.suka-p.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

© Amor Literário - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo